Buscar
  • Lucas Mendonça

Contrate soluções, não problemas


Após o início da crise que atingiu o Brasil nos últimos dois anos, as empresas têm cada vez menos investido nos negócios, e geralmente a primeira área que sofre com o corte é o setor de comunicação. Essa situação acabou se agravando e criou-se um receio quando o assunto é a contratação de agências para cuidar da área publicitária das empresas. Acredito que muitos já ouviram a famosa frase "you must spend money to make money" (você deve gastar dinheiro para fazer dinheiro) ou, simplesmente, invista! Obviamente, é extremamente importante que o investimento seja realizado de maneira correta e profissional com planejamento estratégico. E o investimento não se resume apenas no âmbito financeiro, como a compra de máquinas, matéria-prima e serviços de publicidade, mas também na questão do tempo. O empresário que contrata uma agência para cuidar da comunicação de sua empresa, poderá investir o tempo que gastava fazendo tudo por conta própria na sua relação com o seu consumidor, tanto no fornecimento de seus serviços e produtos, como na própria interação com ele, fortalecendo a fidelização. Tempo é dinheiro! Quando o assunto é a contratação de uma agência publicitária, é essencial que seja estabelecida uma parceria entre esta e a empresa. O sucesso da agência está diretamente ligado ao sucesso da empresa, por isso a necessidade de cuidar do negócio do cliente como se fosse o seu próprio. A elaboração das estratégias publicitárias envolvem vários aspectos e aqui eu gostaria de destacar alguns detalhes jurídicos. O Código de Defesa do Consumidor é bem claro na questão das propagandas enganosas e abusivas. Os artigos 36 e 37 determinam que a publicidade deve ser veiculada de uma maneira que o consumidor consiga imediatamente identificá-la como tal, proibindo todo o tipo de publicidade enganosa ou abusiva. Portanto, todo cuidado é pouco na elaboração de uma peça publicitária, sendo de extrema importância o diálogo constante entre a agência e a empresa, garantindo que o marketing esteja completamente alinhado às ideias do cliente. Há ainda um entendimento doutrinário bem interessante que protege a empresa de agências que, de má-fé ou não, possam prejudicar a sua imagem. Antonio Herman de Vasconcellos e Benjamin, atual ministro do STJ, entende que: "O anunciante, como já dito, é responsabilizado, no plano cível, objetivamente pela publicidade enganosa e abusiva, assim, como pelo cumprimento do princípio da vinculação da mensagem publicitária. Já a agência e o veículo, só são co-responsáveis quando agirem culposa ou dolosamente, mesmo em sede civil". Ou seja, embora a responsabilidade pela veiculação de peça publicitária em desacordo com o CDC recaia, a princípio, sobre a empresa (anunciante), esta tem a prerrogativa de, provando o dolo ou culpa da agência que não cumpriu com o acordo, repassar a responsabilidade para esta. A lição que podemos extrair é a importância de encontrar uma agência especializada e competente, que conheça todos os aspectos que envolvem a publicidade, inclusive tais nuances jurídicas, e também a necessidade da transparência e diálogo para evitar qualquer tipo de transtorno. Enfim, se você busca o sucesso da sua empresa, a melhor receita é acreditar na sua ideia e investir! No momento de contratar uma agência, procure estabelecer uma parceria com aquela que compre a sua ideia e vista sua camisa. E lembre-se: you must spend money to make money!

#publicidade #estratégia #cliente

0 visualização